pressione enter para pesquisar
13Jan

Prevenção de acidentes de trabalho por meio da sinalização

No Brasil, os acidentes de trabalho matam mais que muitas doenças: o número de óbitos por acidentes no trabalho é seis vezes maior do que por dengue, por exemplo. Entre 2007 e 2013, a doença matou 3.331 pessoas, enquanto 19.478 trabalhadores foram vítimas fatais de acidentes no trabalho – dados do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS).

Grande parte destas estatísticas são impulsionadas pela falta de prevenção e da correta orientação e treinamento dos trabalhadores. Por isso, qualquer empresa precisa adotar medidas para garantir a saúde e a segurança do trabalhador. Neste sentido, a sinalização é uma das formas utilizadas para alertar às pessoas que devem estar atentas em locais determinados, seja em um ambiente industrial, em um escritório, locais públicos e etc. É marcar, apontar, assinalar, indicar ou mostrar uma situação, a fim de prestar informações importantes a quem por ali passa.

A sinalização é uma das mais importantes medidas de segurança para ambientes de trabalho em que os riscos de acidentes são iminentes como, por exemplo, na construção civil, transporte, hospitais e indústrias que lidam com máquinas e equipamentos pesados (seja na montagem, instalação, ajuste, operação, limpeza, manutenção, inspeção, desativação e desmonte).

Neste sentido, a sinalização de segurança pode ter três funções diferentes: orientação (como rota de fuga e o mapa de riscos, por exemplo), segurança (alerta sobre situações perigosas e equipamentos de proteção necessários para evitar acidentes em determinada atividade) e emergência (indicam as ações que devem ser feitas caso ocorram eventos não programados e que possam expor à acidentes).

 

O que dizem as NRs

Entre as medidas de proteção previstas pela NR-12 estão as medidas de proteção coletiva ou EPCs, administrativas ou de organização do trabalho e de proteção individual ou EPIs (como luvas, protetores auriculares, capacetes, botas, entre outros).

Os EPCs, dispositivos instalados e utilizados no ambiente de trabalho para a proteção coletiva, englobam as medidas possíveis de sinalização existentes, que vamos enumerar a seguir. Mas, antes, é importante entender que os EPCs são muito importantes pois não dependem da atitude do funcionário para que sejam eficazes, sendo as medidas de proteção coletiva prioridade em qualquer empresa.

A empresa também deve seguir a NR-26, adotando placas para indicar e advertir sobre os riscos, utilizando recursos como cores, que servem para identificar equipamentos de segurança, para delimitar áreas, alertar sobre tubulações que conduzem líquidos e gases e advertir contra qualquer tipo de risco.

Como complemento à NR-26, é importante incluir as orientações da NBR-7195, regulamentada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Esta norma fixa as cores que devem ser usadas para a prevenção de acidentes, já que são empregadas para identificar e advertir contra riscos existentes no ambiente de trabalho.

 

Conheça a aplicação de algumas cores

Vermelha: serve para identificar e distinguir equipamentos de proteção e combate a incêndio e sua localização (portas de saída de emergência, por exemplo). Também é utilizada em sinais de parada obrigatória, de proibição e em botões interruptores para paradas de emergência.

Alaranjada: é empregada para indicar “perigo”.

Amarela: indica “cuidado” e deve ser utilizada em escadas portáteis (exceto as de madeira), corrimãos, parapeitos, pisos e partes inferiores de escadas que apresentem riscos, etc.

Verde: é utilizada para indicar “segurança”, com aplicação em caixas de equipamentos de primeiros socorros, caixas contendo equipamentos de proteção individual (EPIs), chuveiros de emergência e lava-olhos, locais de macas, etc.

Azul: indica uma ação obrigatória, como, por exemplo, o uso de EPI (“Use protetor auricular”) e impedir a movimentação ou energização de equipamentos (“Não ligue esta chave”).

Branca: em faixas para demarcar passadiços, passarelas e corredores pelos quais circulam exclusivamente pessoas, setas de sinalização de sentido e circulação.

O uso dos EPCs também está previsto em outras normas regulamentadoras como NR-4, NR-10 e NR-33). Em cada uma delas estão descritas as medidas de proteção coletiva que devem ser tomadas de acordo com a atividade, a fim de garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores.

 

Tipos de sinalização

Cavaletes: geralmente usados de forma temporária. Exemplo, durante a limpeza de um piso.

Alertas luminosos: que direcionem os funcionários em situações de riscos como, por exemplo, em casos de incêndio. Podem ser vistos no escuro e indicam rotas de fuga (como "saída de emergência"), botões de emergência ou a localização de equipamentos de combate a incêndio.

Alertas sonoros: também chamam a atenção em situações programadas ou não, quando é preciso alertar para alguma ocorrência.

Etiquetas de sinalização: na tarefa de manutenção de máquinas e equipamentos, por exemplo, alguns cuidados preventivos são fundamentais, como a colocação de uma etiqueta de sinalização. Além de bloquear os dispositivos de energia (por meio de cadeados ou garras de bloqueio) a fim de impedir a reenergização durante o processo de manutenção, o operador precisa sinalizar que a máquina está em manutenção. Servem para avisar sobre a inspeção do equipamento e trazem informações como horário e a data do bloqueio, o motivo da manutenção, o nome do responsável e alerta do bloqueio.

Placas de sinalização: servem para alertar os funcionários sobre como evitar os riscos no ambiente de trabalho, orientar sobre a forma segura de operação dos equipamentos e máquinas e etc. Para chamar a atenção, devem estar afixadas em local de destaque, ter indicação cores e figuras geométrica e até bordas zebradas. O importante é chamar atenção e alertar quanto aos riscos existentes no ambiente. Assim, são responsáveis pelo deslocamento dos trabalhadores no espaço de trabalho, tornando possível a tomada de decisão segura.

 

Tipos de placas de sinalização

Placas de aviso: servem para reforçar regras de segurança e procedimentos no ambiente de trabalho. Podem conter texto, cores e símbolos gráficos para facilitar na compreensão da mensagem pelos trabalhadores.

Placas de atenção: têm o objetivo de alertar os trabalhadores sobre uma situação de risco, orientando sobre condutas corretas ou procedimentos, sobre o isolamento de áreas e exigindo o uso de determinados tipos de EPIs. Podem conter texto, cores e símbolos gráficos.

Placas de perigo: são utilizadas para alertar sobre riscos de ferimentos graves ou de morte.

 

Ficou claro a importância da sinalização para a segurança dos trabalhadores? Leia mais informações sobre a importância das auditorias periódicas para a segurança do trabalho!

compartilhe:
Receba nosso informativo
cadastre-se e receba em seu e-mail nossas notícias
cadastrar
+55 19 3500.8210

Rua José Gallo, 258
Vista Alegre – Vinhedo/SP - Brasil
CEP: 13285-332
© TAGOUT 2017 - Todos os direitos reservados