pressione enter para pesquisar
10Nov

Você sabe o significado das cores nas tubulações industriais?

O uso de cores na indústria é obrigatório para identificar equipamentos de segurança, delimitar áreas, identificar tubulações empregadas para a condução de líquidos e gases e sinalizar os riscos.

 

O seu uso é orientado pela NR-26 – Sinalização de Segurança, do Ministério do Trabalho e Emprego. De acordo com a norma, “as cores devem ser adotadas para a segurança em estabelecimentos ou locais de trabalho, a fim de indicar e advertir acerca dos riscos existentes”.

 

Nas indústrias, um dos principais usos das cores é a identificação das tubulações para evitar acidentes com os trabalhadores. Para isso, existe a NBR-6493, da ABNT, que orienta sobre o emprego de cores para a identificação de tubulações fixas em casos de canalização de fluidos, substâncias perigosas, material fragmentado ou condutores elétricos.

 

Para isso, usa-se o Sistema de Cores de Munsell.  O professor Albert H. Munsell criou este sistema no século XX, que hoje é utilizado de forma a possibilitar um arranjo tridimensional das cores num espaço cilíndrico de três eixos e que permite especificar uma determinada cor através de três dimensões.

 

O modelo de cor é baseado em cores base e secundárias. Confira abaixo:

 

Branco (B 000) – vapor.

 

Amarelo (C 067) – gases não liquefeitos.

 

Vermelho segurança (B 291) – vapor saturado, materiais para o combate a incêndios (água).

 

Verde (N 541) – água, exceto a de combate a incêndios.

 

Azul segurança (X 17J) – produtos sob pressão, como o ar comprimido.

 

Laranja (C 244) – ácidos.

 

Cinza escuro (W 685) – eletrodutos.

 

Cinza claro (J 684) – vácuo.

 

Preto (Y 999) – inflamáveis e combustíveis de alta viscosidade como óleo combustível, piche e asfalto.

Marrom canalizações – cor para os demais fluídos como óleos, materiais fragmentados como o minério bruto, petróleo bruto.

 

Alumínio – substâncias inflamáveis e combustíveis de baixa viscosidade como diesel, lubrificantes, solventes, gasolina e querosene.

 

Creme (F 143) – produtos intermediários pesados.

 

Lilás/ púrpura (M 32T) – álcalis, lixívias (água sanitária)

 

 

Você sabia que além do uso das cores, existem outras formas de chamar a atenção da equipe diante de riscos na indústria? Como exemplo, temos as placas de sinalização, que além das cores, utilizam símbolos e sinais.

As placas de sinalização devem ser colocadas próximas às máquinas e aos equipamentos industriais, bem como nas instalações em que se encontram. Além disso, as placas servem para orientar os trabalhadores sobre as instruções de operação e manutenção dos equipamentos.

Estes sinais servem como alerta máximo para indicar que alguma atividade de risco está sendo realizada, como a partida ou a velocidade excessiva de uma máquina, por exemplo.

 

Autor: Eng° Eletricista Tagout - João Marcio Tosmann*

*Sobre o autor: João Marcio Tosmann é formado em Engenharia Elétrica, com ênfase em Eletrônica, pela PUC-RS, com pós-graduação em Administração Industrial pela USP e MBA em Marketing pela ESPM.

Possui experiência em projetos de manutenção industrial e logística em autopeças. Atuou como membro da diretoria do Complexo Industrial Automotivo General Motors (CIAG) e líder de projetos de novos veículos como Celta (General Motors) e EcoSport (Ford). Atualmente é diretor da Tagout, indústria de produtos de Bloqueio e Etiquetagem que oferece consultoria, treinamento e elaboração de procedimentos para implantação do Programa de Controle de Energias Perigosas (PCEP).

compartilhe:
Receba nosso informativo
cadastre-se e receba em seu e-mail nossas notícias
cadastrar
+55 19 3500.8210
+55 19 98971.0324
+55 19 99345.1934

Rua José Gallo, 258
Vista Alegre – Vinhedo/SP - Brasil
CEP: 13285-332
© TAGOUT 2017 - Todos os direitos reservados